Nosso Patrono

Dr. Antônio Batista Santiago nasceu na Fazenda Arapuá, na virada do século, no dia 10 e abril de 1899. Filho de Eloy Felipe Santiago e de Ana Batista Santiago. Estudou nas Escolas Primárias do Brejo do Cruz e de Catolé do Rocha, mas o seu desejo, era mudar-se para um grande centro, onde pudesse trabalhar e estudar, para que tivesse uma vida melhor, diferente daquela, que lhe era reservada no Sertão Paraibano. E em 1918, Santiago limpando mato, na roça com enxada deparou com uma cobra venenosa, que quase pica-lhe a perna. Então, Santiago, toma uma decisão corajosa. Joga a enxada fora e resolve deixar o Sertão Paraibano e procurar a cidade do Rio de Janeiro e lá chegando, teve alguns problemas ligados ao trabalho, mas Santiago supera tudo e três meses depois, ele estava empregado e matriculado no famoso Colégio Dom Pedro II da Capital Federal, onde fez os preparatórios, e em 1925, estava matriculado no primeiro ano da Faculdade de Medicina da Praia Vermelha onde fez um Curso Médico regular, sem perder nenhum ano de estudo, quando colou grau, defendendo a tese ” Tuberculose e Gravidez”, em 1930, tendo sido aprovado, com distinção. Durante o curso médico, freqüentou o Serviço de Obstetrícia do Professor Fernando Magalhães e o Serviço de Clínica Médica do professor Antônio Austregésilo e o Serviço de Pronto Socorro do Professor Brandão Filho. Foram seus colegas de turma o Dr. Raimundo de Brito, que foi Ministro da Saúde do Governo Costa e Silva e o Dr. Bezerra Coutinho Professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Formado em medicina, Santiago, começa a receber e examinar algumas propostas de trabalho do Rio de Janeiro, bolsa de estudos na Alem+anha, para quando concluir ir ser professor. Além de outra do interior de Goiás. E, nessa fase das indecisões, surge uma proposta da Paraíba através do Governador Antenor Navarro, para dirigir uma Maternidade na Paraíba, construída pelo Prefeito Guedes Pereira. Aceito o convite, vem o Dr. Santiago para João Pessoa, pensando, em poder, atender, também, aos pacientes vindos do sertão, principalmente de Catolé do Rocha e de Brejo do Cruz. Começa a trabalhar o Dr. Antônio Santiago, em João pessoa e certo dia, surge uma paciente com um parto complicado, necessitando de cesariana, coisa temível naquela época. Mesmo assim, Santiago resolve fazer a cesariana. E auxiliado pelo Dr. Lauro Wanderley e usando a técnica de Kroening, tendo sido bem sucedido, tanto o ato cirúrgico, como pós-operatório, tudo sem complicações. E por isso foi considerada – a primeira operação cesariana realizada na Paraíba. Com êxito. Mas o destino reservava uma surpresa para o Dr. Santiago. Ele adoece e por sugestão de alguns amigos – Abílio Dantas e seu irmão José Frutuoso Dantas, que lhe recomendam que ele fosse para Itabaiana, que lá bastava o clima para curar a sua doença. E assim fez o Dr. Antônio Santiago. Foi para Itabaiana, logo se sentiu bem. Em pouco tempo realmente ficou curado da sua doença, mas não sabia que não sairia mais de Itabaiana. Pois, isso aconteceu. Santiago curado do mal que o trouxe a Itabaiana, ia atendendo aos pacientes que o procuravam e assim foi se prendendo à Princesa do Vale do Paraíba. Terminou abrindo consultório, na cidade e nunca mais deixou Itabaiana, a terra de Sivuca, da dupla caipira Jararaca e Ratinho, e também do famoso poeta Zé da Luz. É ainda a terra dos irmãos – Aderbal e Abelardo Jurema.      O Dr. Antônio Santiago, no seu trabalho cotidiano, na cidade de Itabaiana chegou à conclusão que faltava um Hospital onde se pudesse atender melhor a clientela da cidade e da região polarizada pela cidade de Itabaiana. E assim Santiago cai em campo e depois de muita luta, constrói o Hospital e Maternidade São Vicente de Paulo – que na sua inauguração, ele assim, se expressou; – Aqui está o Hospital e Maternidade São Vicente de Paulo , marco simbólico do esforço construtivo e do espírito humanitário do povo de Itabaiana.     

O Dr. Antônio Santiago era casado com a Sra. Olga Campos Santiago, cearense natural da cidade de Canindé deixa uma filha. A Dra. Eucaris, médica endocrinologista, em Recife, onde clinica.      Na política teve grande atuação, pois foi prefeito de Itabaiana duas vezes. Deputado Estadual e candidato a Deputado Federal ficando numa suplência, que veio a assumir uma cadeira na Câmara dos Deputados e por isso teve ocasião de saudar o Ministro José Américo, quando tomou posse na Academia Brasileira de Letras em 1967. Na medicina, teve grande tanto, em Itabaiana como na região polarizada por aquela cidade, atingindo Pernambuco, através da cidade de Timbaúba. Dr. Santiago gostava da sua profissão, atendia indiscriminadamente fossem ricos ou pobres. Certa vez, nasceram no seu hospital 4 crianças de um parto quadrigêmeos. Tendo salvado a todas. Donde se pode dizer que o Dr. Antônio Santiago, na sua profissão a medicina, ele era HUMANITÁRIO. Itabaiana e região polarizada por aquela cidade, o Dr. Santiago gostava de freqüentar o Itabaiana Clube. Vestia-se sobriamente com preferência pelo o branco. Fumava charuto e gostava de jogar gamão. Era uma pessoa amiga; não gostava de dizer não a ninguém. Era um homem sério, respeitado, austero sem ser violento. O Dr. Antônio Santiago, dedicou a sua vida e o seu trabalho à Itabaiana. E sendo o seu Prefeito adoeceu e não levando muito a sério a doença, quando foi realmente se tratar, já era tarde e, em Recife, no Hospital Português, foi diagnosticado um peritonite, que teve como causa, uma apendicite estrangulada em 22 de novembro de 1976, faleceu o Dr. Santiago, data que oficialmente é feriado em Itabaiana. Esta é a história de um homem que saiu de Brejo do Cruz, na Paraíba, trabalhou e estudou. Tornou-se médico numa luta por um ideal, dedicou a sua vida a uma cidade – Itabaiana, serviu à Paraíba e deixou um exemplo de luta para o BRASIL.     

Durante a memorável Assembléia Geral Ordinária de Fundação da Academia Paraibana de Medicina, realizada em 19/12/1980, o Dr. Antônio Batista Santiago foi escolhido Patrono da Cadeira nº 02.”

Acad. Ulisses Pinto Brandão – Membro Titular da Academia Paraibana de Medicina. (APMED) e 2º ocupante da Cadeira n.º 02. CRM-PB Nº 199.